FJP Dados

Vulnerabilidade e condições de vida

Apresentação

Aexpressão vulnerabilidade social não possui significado único na literatura especializada, podendo ser utilizada de diferentes formas, com diferentes implicações. Trata-se de uma expressão da modernidade, uma vez que agrega características do processo sócio-histórico, que se reproduzem pelos mecanismos sociais que dirigem a sociedade, ao contexto conjuntural. Dessa forma, penetra-se em dimensões que compõem a vida social, expressando a sua multidimensionalidade. O objetivo dos dados apresentados aqui é fazer uma análise das dimensões que compõem a vulnerabilidade da população brasileira, por meio de indicadores demográficos e sociais.

Foram utilizadas as bases de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – Cadastro Único (CadÚnico), do Ministério da Cidadania, ambas para os anos de 2016 e 2017. Com base na PNADC, foram analisadas comparativamente as populações em situações de vulnerabilidade do Brasil, de Minas Gerais, da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) e de Belo Horizonte. Por meio do CadÚnico, as pessoas em situação de vulnerabilidade residentes em Minas Gerais, no interior do Estado, na RMBH e em Belo Horizonte.

Destaca-se que, no caso da PNADC, a renda foi considerada como parâmetro chave para determinação da população em situação de vulnerabilidade, ou seja, foi a referência objetiva para a seleção da população analisada. A partir dela, foram criados dois grupos: extremamente pobres e pobres. No CadÚnico, pelo fato da renda já ser o critério para o indivíduo/família estar registrado no cadastro, não foi feito recorte algum para a análise. Para determinar o percentual de pobres e extremamente pobres, no Brasil, em termos monetários, adotou-se a linha de corte determinada pelo então Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) , a partir de junho de 2016. Os valores limites, assim como os rendimentos, foram corrigidos para o ano de 2017, com base no IPCA, disponibilizado para o segundo trimestre de 2016, com vistas a aferir de forma mais fidedigna as condições de vida da população. Assim sendo, os valores de corte para as duas categorias em análise foram: renda domiciliar per capita menor ou igual à R$93,00 (extremamente pobres) e renda domiciliar per capita entre R$93,00 e R$186,00 (pobres).

Release

Publicado em: Março de 2019
Próxima divulgação: Março de 2020

Proporção da população pobre e extremamente pobre

Proporção de população residente em domicílios particulares permanentes considerados extremamente pobres e pobres e variação relativa anual (%)
Brasil, Minas Gerais, RMBH e Belo Horizonte – 2016-2017

Regiões Percentual da população residente em domicílios particulares permanentes extremamente pobres e pobres
 2016 2017 Variação 2016/2017 
 Extremamente pobres Pobres Extremamente pobres Pobres Extremamente pobres Pobres
Brasil48,851,254,345,711,3-10,8
Minas Gerais55,644,457,242,82,8-3,6
RMBH73,226,859,540,5-18,751
Belo Horizonte 82,617,453,146,9-35,7169,4
Fonte: Dados básicos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Proporção da população pobre e extremamente pobre, por sexo

Proporção de população residente em domicílios particulares permanentes considerados extremamente pobres por sexo (%)
Brasil, Minas Gerais, RMBH e Belo Horizonte – 2016 e 2017

Fonte: Dados básicos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Proporção de população residente em domicílios particulares permanentes considerados pobres por sexo (%)
Brasil, Minas Gerais, RMBH e Belo Horizonte – 2016 e 2017

Fonte: Dados básicos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Proporção da população pobre e extremamente pobre, por cor/raça

População branca e negra residente em domicílios particulares permanentes (%)
Brasil, Minas Gerais, RMBH e Belo Horizonte – 2016 e 2017

Fonte: Dados básicos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Proporção da população pobre e extremamente pobre, por grupos de idade

População residente em domicílios particulares permanentes extremamente pobres por grupos etários(%)
Brasil, Minas Gerais, RMBH e Belo Horizonte – 2016 e 2017

Fonte: Dados básicos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte.

População residente em domicílios particulares permanentes pobres por grupos etários (%)
Brasil, Minas Gerais, RMBH e Belo Horizonte – 2016 e 2017

Fonte: Dados básicos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Proporção da população pobre e extremamente pobre, desocupada, por sexo

Proporção de população de 14 anos ou mais de idade desocupada, residente em domicílios particulares permanentes considerados extremamente pobres e pobres na semana de referência, por sexo (%)
Brasil, Minas Gerais, RMBH e Belo Horizonte – 2016-2017

Regiões 2016 2017 2016/2017
 Extremamente pobres (%)Pobres (%)Extremamente pobres (%)Pobres (%)Extremamente pobres (%)Pobres (%)
Brasil      
  Masculino58,85256,945,5-3,1-12,5
  Feminino41,24843,154,54,513,5
Minas Gerais      
  Masculino61,642,557,542,4-6,6-0,2
  Feminino38,457,542,557,610,70,1
RMBH      
  Masculino59,342,148,326,2-18,4-37,8
  Feminino40,757,951,773,826,827,5
Belo Horizonte      
  Masculino58,641,533,528,1-42,7-32,4
  Feminino41,458,566,571,960,423
Fonte: Dados básicos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Proporção da população pobre e extremamente pobre, desocupada, por cor/raça

Proporção de população de 14 anos ou mais de idade desocupada, residente em domicílios particulares permanentes considerados extremamente pobres e pobres na semana de referência por cor (%)
Brasil, Minas Gerais, RMBH e Belo Horizonte – 2016-2017

Regiões 2016 2017 2016/2017
 Extremamente pobres (%)Pobres (%)Extremamente pobres (%)Pobres (%)Extremamente pobres (%)Pobres (%)
Brasil      
  Branca27,524,126,921,7-2-9,9
  Negros72,175,472,377,30,22,5
Minas Gerais      
  Branca263416,914,9-35,1-56,2
  Negros746682,785,111,828,9
RMBH      
  Branca21,333,71117-48,2-49,6
  Negros78,766,387,68311,325,2
Belo Horizonte      
  Branca26,9 204,1-25,6...
  Negros73,11008095,99,4-4,1
Fonte: Dados básicos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Total da população inscrita no Cadastro Único

População registrada no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal e variação relativa
Minas Gerais, Interior do Estado, RMBH e Belo Horizonte – 2016-2017

Regiões 2016 (abs.) (a) 2017 (abs.) (b) (b)-(a) Variação 2016/2017 (%)
Minas Gerais1.365.9461.340.123-25.823-1,9
Interior do Estado1.135.6801.102.185-33.495-2,9
RMBH230.266237.9387.6723,3
Belo Horizonte81.54182.6001.0591,3
Fonte: Dados básicos: Ministério da Cidadania/Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação (SAGI).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte. CadÚnico: Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - Cadastro Único.

População considerada extremamente pobre e pobre registrada no Cadastro Único e variação relativa
Minas Gerais, Interior do Estado, RMBH e Belo Horizonte – 2016-2017

Regiões 2016 2017 2016/2017
 Extremamente pobres (%) Pobres (%)Extremamente pobres (%)Pobres (%)Extremamente pobres (%)Pobres (%)
Minas Gerais35,310,536,210,40,5-2,6
Interior do Estado32,910,536,210,46,9-3,8
RMBH47,510,336,210,3-21,23,7
Belo Horizonte56,212,736,410,3-34,3-17,9
Fonte: Dados básicos: Ministério da Cidadania/Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação (SAGI).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte. CadÚnico: Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - Cadastro Único.

Proporção da população inscrita no Cadastro Único, por condição de analfabetismo

População de baixa renda segundo o Cadastro Único com 15 anos ou mais de idade pela condição de analfabetismo(%)
Minas Gerais, RMBH, interior do Estado e Belo Horizonte – 2016 e 2017

Fonte: Dados básicos: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC).
Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP), Diretoria de Estatística e Informações (Direi).
Nota: RMBH: Região Metropolitana de Belo Horizonte. CadÚnico: Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal

Quem Somos

Conheça a equipe e os gestores que viabilizaram a criação deste relatório

GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Romeu Zema Neto

Secretário de Estado de Planejamento e Gestão

Otto Alexandre Levy Reis

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO

Helger Marra Lopes

Presidente

Mônica Moreira Esteves Bernardi

Vice-presidente

Unidade Responsável

Diretoria de Estatística e Informações (DIREI)

Coordenação do FJP Dados

Renato Vale Santos

Coordenação das Estatísticas Demográficas

Denise Helena França Marques Maia

Equipe Técnica

Denise Helena França Marques Maia

Coordenação

Helena Teixeira M. Soares

Renato Vale Santos

Plínio de Campos Souza

Assessoria de Tecnologia da Informação

João Luiz Grigoletti

Thiago Araujo Simões

Desenvolvedores

Fale Conosco

Entre em contato pelo e-mail cei@fjp.mg.com.br ou se preferir preencha o formulário abaixo:


Fundação João Pinheiro - Alameda das Acácias, 70 - São Luiz - Belo Horizonte - MG - 30.111-111 - Telefone: (31)3448-9719 - As informações acima são de prorpiedade de seus criadores. Os mesmos devem ser notificados para uso dos dados.