Indicadores FJP

Estatísticas de Emprego e Renda: cuidados e afazeres domésticos

Apresentação

As estatísticas de emprego e renda sobre os cuidados e afazeres domésticos da Pesquisa Nacional por Amostra por Domicílios Continua (PNADc), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indicam que em Minas Gerais, em 2017, 85,9% das pessoas realizaram algum afazer doméstico não remunerado no próprio domicílio ou em domicílio de parente. A proporção de mulheres que realizaram tarefas domésticas desse tipo é superior à de homens, tanto em 2016 quanto em 2017, em todos os grupos etários, de cor/raça e de escolaridade.

Da mesma forma, as mulheres realizam mais cuidados de moradores do domicílio ou parentes não moradores do que nos homens. Em Minas Gerais, enquanto 37,5% das mulheres cuidavam de algum morador ou parente, apenas 26,1% dos homens. O grupo etário que tem a maior proporção de pessoas que realizavam cuidados foi o de 25 a 49 anos, tanto para os homens (38,4%) quanto para as mulheres (52%). Esses dados indicam que as responsabilidades domésticas e de cuidados com filhos, idosos ou outros membros da família recaem majoritariamente sobre as mulheres.

Saiba Mais Base de Dados

Publicado em: 06 de Julho de 2018
Próxima divulgação: Julho de 2019

Taxa de realização de afazeres domésticos

A taxa de realização de afazeres domésticos no próprio domicílio ou em domicílio de parente foi de 85,9% em Minas Gerais, 92,1% na RMBH e 92,3% no município de Belo Horizonte. A proporção de mulheres que realizaram tarefas domésticas é superior à de homens, tanto em 2016 quanto em 2017, em todos os grupos etários, de cor/raça e de escolaridade. Com relação aos diferenciais por faixa etária, em Minas Gerais, observa-se que os mais jovens (entre 14 e 24 anos) são os que apresentaram as menores taxas de realização de afazeres domésticos no próprio domicilio ou em domicílio de parente. No caso dos homens, a taxa foi de 67,4% e das mulheres, 87,1%, em 2017. Para aqueles com idade entre 25 a 49 anos, a taxa para os homens foi de 81,8% e para as mulheres 96,2%. Já os homens na faixa etária de 50 anos e mais tiveram taxa de 81,1% contra 91,6% das mulheres.

Taxa de realização de afazeres domésticos no próprio domicílio ou em domicílio de parente por grupo de idade (%)
Brasil, MG, RMBH e BH - 2016/2017

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua).
No caso dos homens, a condição no domicílio que apresentou a maior taxa de realização de afazeres domésticos foi a de responsável pelo domicílio, 86,5% em 2017, seguida dos cônjuges (83%), outras condições (66%) e filho (64,5%). Para as mulheres, a condição no domicílio com a maior taxa de realização de afazeres domésticos é a de cônjuge (97,8%) seguida da de responsável pelo domicílio (95,1%), filha (86,2%) e outras condições (76,1%)

Taxa de realização de afazeres domésticos no próprio domicílio ou em domicílio de parente por condição no domicílio (%)
Brasil, MG, RMBH e BH - 2016/2017

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua).
Quanto mais escolarizado é o homem, maior é a taxa de realização de afazeres domésticos. No caso das mulheres o nível de instrução parece não fazer grande diferença para a realização de trabalho doméstico não remunerado. Em 2017, os homens que não chegaram a concluir o ensino fundamental tiveram uma taxa de afazeres domésticos de 76,6% contra 77,2% para aqueles com ensino fundamental incompleto e médio incompleto, 79,6% com ensino médio completo e superior incompleto e 85,4% com superior completo. Para as mulheres, as taxas são de, respectivamente, 90,9%, 94,4%, 93,6% e 93,9%.

Taxa de realização de afazeres domésticos no próprio domicílio ou em domicílio de parente por nível de instrução (%)
Brasil, MG, RMBH e BH - 2016/2017

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua).
Segundo raça/cor, a taxa de de realização de afazeres domésticos no próprio domicílio ou em domicílio de parente é bastante parecida para os homens. Mas, para as mulheres, a taxa é maior para aquelas que se declararam de raça/cor preta (94,2%) e parda (92,5%) do que para as que se declararam de cor/raça branca (91,5%), em Minas Gerais no ano de 2017. Esse padrão também é constatado na RMBH e no município de Belo Horizonte.

Taxa de realização de afazeres domésticos no próprio domicílio ou em domicílio de parente por cor ou raça (%)
Brasil, MG, RMBH e BH - 2016/2017

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua).

Taxa de realização de cuidados

A realização de cuidados de moradores do domicílio ou parentes não moradores é mais frequente para as mulheres do que aos homens. Enquanto 37,5% das mulheres cuidavam de algum morador ou parente, apenas 26,1% dos homens o faziam. O grupo etário que tem a maior proporção de pessoas que realizaram cuidados foi o de 25 a 49 anos, tanto para os homens (38,4%) quanto para as mulheres (52%).

Taxa de realização de cuidados de moradores do domicílio ou parentes não moradores por grupo de idade (%)
Brasil, MG, RMBH e BH - 2016/2017

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua).
A condição no domicílio que em que a proporção de realização de cuidados com moradores ou parentes é maior é a de cônjuge, em que 37% dos homens e 44% das mulheres afirmaram ter realizado alguma atividade de cuidado. Para os homens as taxas de cuidado foram de 30,6% quando eram responsáveis pelos domicílios, 15,2% se eram filhos e 19,6% se tinham outra condição no domicílio. Para as mulheres responsáveis pelo domicílio, a taxa foi de 36,8% contra 30,5% quando eram filhas e 25,6% quando a condição de outra no domicílio era "outra".

Taxa de realização de cuidados de moradores do domicílio ou parentes não moradores por condição no domicílio (%)
Brasil, MG, RMBH e BH - 2016/2017

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua).

Taxa de realização de cuidados de moradores do domicílio ou parentes não moradores por nível de instrução (%)
Brasil, MG, RMBH e BH - 2016/2017

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua).
Por raça/cor, constata-se, em 2017, que as pessoas que se declararam brancas apresentaram taxas de realização de cuidados de moradores do domicílios ou parentes não residentes menor do que aqueles que se declararam pretos ou pardos. Isso vale tanto para homens quanto para mulheres em Minas Gerais. Assim, enquanto 24,5% dos homens de raça/cor branca cuidavam de algum parente ou morador do domicílio, 26,5% dos homens de raça/cor preta estavam nessa situação e 27,3% dos de raça/cor parda. Já para as mulheres essa taxa, em Minas Gerais, foi de 37,5%, sendo que as de raça/cor branca equivaleu a 33,9%, as de raça/cor preta, 39,9% e parda, 40,2%.

Taxa de realização de cuidados de moradores do domicílio ou parentes não moradores por cor ou raça (%)
Brasil, MG, RMBH e BH - 2016/2017

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua).

Quem Somos

Conheça a equipe e os gestores que viabilizaram a criação deste relatório

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO

Roberto do Nascimento Rodrigues

Presidente

Daniel Lisbeni Marra Fonseca

Vice-presidente

Diretoria de Estatística e Informações (DIREI)

Júnia Santa Rosa

Diretora

Unidade Responsável

Diretoria de Estatística e Informações (DIREI)

Júnia Santa Rosa

Diretora

Coordenação do FJP Dados

Caio César Soares Gonçalves

Coordenação de Estatísticas Urbano Ambientais

Plinio de Campos Souza

Equipe Técnica

Plínio Campos Sousa

Coordenação

Lívia Rosa Cruz

Nícia Raies Moreira de Souza

Assessoria de Tecnologia da Informação

Rodrigo Diniz Rosa

Gestor do Projeto Tecnológico

João Luiz Grigoletti

Thiago Araujo Simões

Desenvolvedores

Fale Conosco

Entre em contato pelo e-mail cei@fjp.mg.com.br ou se preferir preencha o formulário abaixo:


Fundação João Pinheiro - Alameda das Acácias, 70 - São Luiz - Belo Horizonte - MG - 30.111-111 - Telefone: (31)3448-9719 - As informações acima são de prorpiedade de seus criadores. Os mesmos devem ser notificados para uso dos dados.